Do aleitamento à amamentação na UCIN – II

Do aleitamento à amamentação na UCIN – II

Extração de leite com bebé em Canguru

Extração de leite com bebé em Canguru

Enquanto esteve grávida imaginou muitas vezes como seria a sua vida com o seu bebé e como iria cuidar dele. O facto de ele ter sido admitido numa UCIN pode ter alterado os seus planos, contudo ainda pode fazer muitas das coisas que planeou. Se planeou amamenta-lo isso é possível mesmo se ele nasceu muito antes do tempo. O amor e a proteção que dá ao seu bebé desde o início são vitais para o seu bem-estar. Amamentar é uma forma de o demonstrar. Os benefícios da amamentação para si e para o bebé estão bem documentados e são muito mais valiosos quando o bebé é prematuro, está doente e requer o internamento numa UCIN.

               -Protege o bebé de infeções;

               – Ajuda-o a crescer

               – É de mais fácil digestão

               – Promove a vinculação e o contacto pele-a-pele

Amamentar o seu bebé que nasceu prematuro depende de alguns fatores entre os quais a condição clínica do bebé e a idade gestacional.

A incapacidade de o bebé conseguir extrair o alimento necessário para sobreviver e crescer pode estar relacionado com a prematuridade já que ele nasceu antes estar preparado para o fazer. Por um lado ele pode não ter força suficiente para sugar e por outro não conseguir coordenar a respiração enquanto suga e engole o leite. Estas habilidades estão condicionadas pela maturidade cerebral e dependem da idade gestacional. Nalguns casos pode levar algumas semanas a conseguir mamar em segurança e extrair o leite suficiente para crescer. Por outro o seu estado clínico pode não o permitir quando os tratamentos exigem que o bebé não coma ou ainda a presença de vários tubos ou sondas colocados na boca essenciais à sua sobrevivência.

Assim que possível o bebé poderá ser colocado à mama ou poderá ser-lhe oferecido o seu leite através de uma sonda gástrica. A concretização desta nova etapa depende também das políticas do hospital para o início da alimentação oral a bebés prematuros. Em teoria qualquer bebé estável clinicamente e sem ventilação invasiva poderá ser colocado à mama sem o intuito de retirar alimento – a chamada sucção não nutritiva. Quando ele é muito pequenino e incapaz de coordenar ou até apresentar habilidade nutritivas este ato servirá apenas para manter o contacto pele-a-pele com a mãe, para sentir o cheiro e mesmo o sabor de algumas gotas de leite que possam escorrer ou ser colocadas em contacto com os seus lábios e associar a sucção não nutritiva ao estômago cheio quando a alimentação pela sonda gástrica é oferecida ao mesmo tempo. Este ato de proximidade também ajuda a mãe a produzir mais leite através da libertação de hormonas responsáveis pelo processo.

Colocar o bebé à mama pela primeira vez

Muitos hospitais têm pessoal especializado que a ajudarão a decidir o momento certo e como o colocar à mama. É um momento único e que poderá ser surpreendente. Ás vezes bebés muito pequenos podem de imediato querer sugar, procurando abocanhar a mama com grande vitalidade! Em geral poderá ser difícil numa primeira vez o bebé mamar bem. O bebé pode ter pouca energia para o fazer, ou o mamilo ser demasiado grande para a sua boca. Contudo lembre-se que mesmo com estas dificuldades é benéfico para ele e para si e que com tempo e persistência ele irá desenvolver a sua capacidade de sugar e retirar o alimento necessário ao seu crescimento.

A introdução precoce da amamentação pode ser benéfica ao desenvolver capacidades e competência individuais que com o tempo, e se não forem estimuladas podem desaparecer. Alguns bebés exibem de imediato o chamado reflexo de busca quando ao se tocar com o mamilo a zona à volta da boca e dos seus lábios ele abre a boca e procura o mamilo. Fazer sair uma gotinha de leite poderá levá-lo a lamber e a saborear o seu leite e a abrir a boca para abocanhar o mamilo. Pode ser benéfico que o leite seja dado pela sonda quando o bebé treina a sucção na mama para que vá associando o enchimento do estômago e a sensação de saciedade com o mamar na mama.

A existência de sondas ou tubos na boca pode dificultar a amamentação. Fale com os profissionais da possibilidade de os retirar ou colocar no nariz. Muitas das intervenções terapêuticas envolvem a estimulação menos positiva e agradável da boca e nariz, estas intervenções quando não acompanhadas de outras que trazem experiências positivas podem gerar comportamentos alimentares de aversão e recusa. Alguns cuidados podem beneficiar a amamentação e devem ser instituídos desde os primeiros dias, mesmo quando não é possível colocar o bebé à mama ou ao colo:

               – dar a aprovar frequentemente o leite materno ao bebé com um cotonete embebido (se não houver contraindicações);

               – colocar uma mantinha pequena ou fralda junto do bebé após a mãe ter passado algum tempo com ela junto do peito para que o bebé sinta o cheiro do seu corpo e eventualmente do leite;

               – os profissionais devem evitar agressões desnecessárias à volta e na boca e nariz;

               – o uso de chupeta com tamanho adequado para treino de sucção – sucção não nutritiva;

               – a intervenção de um terapeuta da fala consoante protocolo hospitalar.

Com o crescimento do bebé ele tornar-se-á mais forte e competente assegurando a ingestão adequada de leite. O bebé necessita de manter a estabilidade fisiológica, a calma e tranquilidade para respirar, sugar e engolir e digerir o leite. Alguns sinais podem indicar que ele não está preparado.

Observe o seu comportamento: ele diz-lhe se está preparado para mamar!

Será benéfico não colocar o bebé à mama após uma atividade exigente. Será também importante que o ambiente esteja calmo e que o proteja de fontes de luz muito intensas para que o bebé e a mãe se possam concentrar e usufruir do momento. Caso o bebé não esteja já cansado rapidamente ficará e poderá engasgar-se. O bebé deve estar acordado e calmo.

Observe o comportamento, a cor e os parâmetros vitais no monitor, estes poderão ajudar a adaptá-lo à mama ou a suspender a amamentação. Um bebé capaz de integrar esta nova atividade é aquele que permanece rosadinho sem alteração significativa do ritmo cardíaco e sem se cansar respirando pausadamente. Outros sinais como a mudança da cor da pele ou a perda de energia em que o bebé fica molinho com os braços caídos indicam que ele está cansado ou que não é a altura para o colocar à mama. Neste caso deixe-o ficar junto da mama ou em posição de Canguru.

Não se esqueça que nas primeiras vezes apenas se pretende que o bebé sinta o cheiro e o sabor do leite e a proximidade do seu corpo. A sensação de fome está muitas vezes ausente ou diminuída já que o bebé é alimentado com frequência pelo sonda gástrica, levando-o a não mostrar muito interesse. Bebés muito pequenos podem gostar e conseguir engolir pequenas gotas de leite extraídas manualmente. Nas primeiras tentativas e por questões de segurança, é aconselhado que extraia previamente leite para que o bebé não se engasgue.

Como coloca-lo à mama?

Nas unidades de neonatologia já existem profissionais que o ajudam a adaptar à mama – Conselheiros e promotores da amamentação.

Em regra o bebé de termo é colocado de frente para a mama sem qualquer apoio dos braços ou pernas, já que ele por si só se aconchega ao seu corpo mantendo uma posição fletida. O bebé prematuro tem que ser ajudado a manter essa posição. Ele é mais molinho e tende a deixar cair os braços e as pernas. Esta flacidez não se reflete apenas nos braços e pernas mas também nos músculos do pescoço e dos maxilares importantes para se alimentar e respirar. Leve o bebé à mama e não o contrário. Poderá ser necessário o apoio de uma almofada para os seus braços e o bebé. Coloque o bebé direito (cabeça e corpo alinhados) virado para si e apoie os braços colocando o que fica por cima junto da sua mama com a mão do bebé pousada sobre a mama. Aconchegue as perninhas dele com uma manta junto do seu corpo e mantenha-o levemente contido nessa posição enquanto o ajuda a sentir o mamilo e o sabor do seu leite. Esta posição mais fletida irá fortalecer os músculos do pescoço e ajudar o bebé a ter mais força para sugar, engolir e respirar.

Quantas vezes colocar o bebé à mama?

As vezes que for possível clinicamente e as vezes que o bebé o desejar. O bebé deverá estar estável, acordado e calmo.

Continue a extrair leite para lhe ser dada por sonda a quantidade que ele necessita e que não consegue mamar por ele. Quando o bebé já tem indicação para se alimentar à mama e o consegue fazer sem se engasgar, extraia o leite mecanicamente após o bebé mamar de forma a manter a produção de leite. Se a mama estiver muito cheia pode ser benéfico extrair um pouco manualmente para tornar a mama mais mole facilitando a pega.

Com tempo a quantidade administrada pela sonda vai sendo diminuída e substituída pelo leite que o bebé extrai da mama.

Amamentar um bebé que nasceu prematuro é um grande desafio mas os benefícios para o seu futuro são muito grandes e com certeza que no final valerá a pena levar o seu filho para casa com amamentação exclusiva.

Share