Brincar com o meu filho na UCIN

Brincar com o meu filho na UCIN

Bebé a "conversar" com a mãe

Bebé a “conversar” com a mãe

Os pais não são visitantes quando o filho está internado na UCIN. Numa unidade hospitalar que se rege pelos Cuidados Centrados na Família (Family Center Care) eles têm um propósito muito importante: constituem o elo que falta na equipa multidisciplinar que cuida do filho. Eles podem cuidar do seu bebé de forma INDIVIDUALIZADA, com ATENÇÃO FOCALIZADA E DIRECIONADA e com uma cadência e forma CONSTANTES. Existem imensas atividades que os profissionais podem simular. Simular sim, mas nunca substituem o colo, o canguru, o cheiro, a voz e a ternura dos pais.

Serem pais, em especial nos primeiros dias, pode parecer a tarefa menos importante enquanto os profissionais rodeiam o pequenino de cuidados, tubos, fios e aparelhos que sustentam a vida. Contudo existe sempre algo que podem fazer e que permitir oferecer ao bebé experiências mais gratificantes e reconhecidas de quando estava dentro do útero materno. Nascer não é um princípio mas o continuar de vivências. O vosso bebé já tem algumas recordações, algumas certezas e muitas, muitas dúvidas por não reconhecer a UCIN e os profissionais que lá trabalham. Cabe a vocês oferecerem-lhe muito do que ele conhece como forma de manterem alguma constância na sua vida. Pequenos gestos que muitas vezes se revestem de grande receio e indecisão são a continuação da partilha física com a vossa presença, do amor e necessidade de proteger.

O futuro do vosso filho depende da vossa presença desde o primeiro dia!

Tudo o que se passa desde o minuto zero e tudo o que lhe possam proporcionar irá contribuir para o crescimento e desenvolvimento neurológico, psicológico, emocional e social.
Estar presentes é assim o primeiro gesto de amor que podem ter. Depois os profissionais irão envolve-los cada vez mais nas atividades diárias da unidade e assim sentirem-se mais úteis.
Podem fazer muito pelo vosso bebé: observar, conhecer e admirar o quanto ele é forte e bonito apesar de pequeno e frágil. É uma oportunidade única de conhecer quem o vosso filho é muito antes de qualquer outro que nasça com o tempo todo. Entender o funcionamento do seu corpo, as suas reações e as suas conquistas e progresso é crítico para o seu futuro. Cada gesto, cada expressão, cada movimento é uma pista para compreenderem o que ele sente e como está a lidar com essa alteração tão brusca de ambiente – do útero materno para a UCIN.
O toque é fundamental quando se torna um instrumento muito importante de transmissão de amor, respeito e calma. Permite que para além dos cuidados médicos o vosso filho possa sentir a vossa pele e o vosso cheiro. O toque como o simples pousar das mãos na sua pele, ou no seu corpo vestido, ou quando pegam ao colo, em canguru, permite que se conforte com o bater do vosso coração e com o cheiro da vossa pele, recordando a tranquilidade do útero materno. A tranquilidade e a serenidade devem ser uma constante durante o percurso na UCIN e são importantes na construção de sentimentos de segurança e confiança  e no crescimento e desenvolvimento cerebral harmonioso. Através do toque podem sentir se o vosso filho está calmo e confortável e ajudá-lo a atingir alguns patamares do desenvolvimento que serão importantes no futuro: o levar as mãos à boca e à linha média, junto do peito ou da face. Poderão ajudá-lo a relaxar juntando os seus pezinhos, sola com sola, na linha do umbigo e sentir a sua barriguinha molinha e as pernas suavemente dobradas. Este gesto alivia tensões, ajuda a mudar a fralda sem que ele perca muita energia a esticar e dobrar as pernas, ajuda-o a manter o calor e facilita a aquisição de competências importantes durante a primeira infância como o sentar e o gatinhar. Façam deste gesto uma forma de brincadeira diária e permanente, sempre que esteja acordado, ou sempre que o abordem para fazer algo.

Ajude-o a conseguir regular-se, a levar as mãos à boca, a enrolar as pernas e os braços junto do corpo ou a agarrar algo. Após algum tempo, e quando estiver mais estável, ele próprio levará as mãos à boca, as pernas junto do corpo, e a confortar-se!
Depois, no colo ou no canguru, permita que durma, que ouça o seu coração, que sinta o cheiro do leite materno. Depois que ouça a sua voz enquanto o envolve na sua vida e nos sonhos que tem para ele. O pai é bem-vindo como forma de prolongar estes momentos na ausência da mãe ou com a mãe no reforço da existência familiar. O que é importante é que ele sinta tranquilidade e amor no mundo caótico que pode tornar-se a UCIN. O canguru pode prolongar-se para lá da hospitalização até quando o seu bebé mostrar sinais de não gostar.
Com o tempo poderá apresentar-lhe algum amiguinho de peluche, com cores fortes, desde que ele mostre interesse em observar. Observar o ambiente requer um bebé tranquilo, maduro e seguro das mudanças que o seu corpo já fez para se adaptar ao mundo fora do útero. Por vezes pode levar algum tempo, outras acontecer logo nos primeiros dias. Observe os seus comportamentos e rapidamente saberá quando pode iniciar uma nova atividade ou prolongar outra. Sinais como soluços, bocejos ou tremores podem ser um indício de que o bebé está cansado, ou ainda não consegue assimilar um estímulo. A aquisição de competências, como a alimentação pela boca (na mama por exemplo) pode ser esgotante e muitas vezes levar a que o bebé regrida algumas conquistas, como o alerta tranquilo e prolongado. Veja estas fases de crescimento e adaptação como fases importantes do desenvolvimento e da aquisição de competências, e que requerem ajustes internos importantes sobretudo fisiológicos. Nunca, nunca se esqueça que o seu bebé nasceu antes do tempo, e que como tal tem que realizar atividades para as quais o seu corpo não está preparado, nem maduro.
Quando conversa com ele descubra que sons ele prefere. Se gosta do a(o) ouvir cantar ou apenas falar. Conte-lhe uma história. À medida que ele cresce e se torna mais maduro, perspicaz e atento ao ambiente, deixe-o olhar para si, para a sua cara, frente a frente e sorria, fale, gesticule com os músculos faciais, e brinque com a capacidade de imitação que surge muito perto da idade de termo.

Não se esqueça de o deixar dormir. Dormir é importante para o crescimento cerebral, para a aquisição de competências importantes ao nível das memórias futuras, para o desenvolvimento auditivo e visual. Esta recomendação é especialmente importante quando o bebé requer muitos cuidados médicos em que o sono é constantemente interrompido. Os técnicos devem assegurar que o sono é protegido quando as intervenções não são urgentes. Colabore com eles. Observe e pouse as suas mãos quentes sobre a cabeça, ou à volta das suas costas e aguarde preservando o seu sono e tranquilidade.
Assegure que é pai e mãe enquanto ele está na unidade, participe no maior número de tarefas possível, mesmo nas mais delicadas e desconfortáveis. Conforte o seu bebé e ajude-o a ultrapassar os momentos mais difíceis. Partilhe as suas conquistas, o primeiro banho, a primeira vez que é alimentado à boca. Como qualquer bebé ele irá progredir, crescer e os únicos testemunhos que prevalecerão para memória futura são os vossos!

Share

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>